more less Fundo Normal Fundo Escuro Fundo com Luz



(04/12/2018) - Defensoria promove cidadania por meio de projeto de reconhecimento de paternidade

 
  • slide 1
    Defensoria promove cidadania por meio de projeto de reconhecimento de paternidade
  • slide 1
    Defensoria promove cidadania por meio de projeto de reconhecimento de paternidade
  • slide 1
    Defensoria promove cidadania por meio de projeto de reconhecimento de paternidade
  • slide 1
    Defensoria promove cidadania por meio de projeto de reconhecimento de paternidade
  • slide 1
    Defensoria promove cidadania por meio de projeto de reconhecimento de paternidade

Um sonho adiado por quase 28 anos foi realizado, no último sábado (01), durante mais uma etapa do projeto “Pais e filhos: Reconhecer é um ato de amor”, promovido pela Defensoria Pública estadual. O estudante universitário Alex Ribeiro, após um grande período apenas com o nome da mãe no documento pôde, enfim, ter o nome do pai incluído em sua certidão de nascimento.


“Alguns problemas familiares impediam essa inclusão. Ainda tinha o fator financeiro, tempo de ir em cartórios e outras coisas. Então, soubemos dessa oportunidade, bem perto de casa, gratuito, portanto, não poderíamos perder essa chance. Atendimento rápido e perfeito e já sai com o termo de reconhecimento de paternidade. Antes, eu era Alex Almeida, em breve, Alex Almeida Viégas”, disse orgulhoso o jovem, oficialmente filho de seu Antônio Viégas.


Além de Alex Viégas, a grande ação social ainda promoveu o reconhecimento voluntário de paternidade a mais 10 crianças e jovens, o que contribui para o fortalecimento familiar, além da promoção de acesso a direitos relacionados à paternidade. Os atendimentos foram coordenados pelos defensores públicos Davi Rafael Veras e Maiele Karem Veras, com o apoio do Núcleo Psicossocial da DPE.


“O registro de nascimento com o nome do pai é muito importante e definitivo e faz com que a criança, o adolescente ou o adulto tenha a sentimento de cidadania, portanto, possuidor de direitos. Para tanto, estamos nessa tarefa árdua de oportunizar, dentro da comunidade, condições que favoreçam essa cidadania”, destacou o defensor-geral Alberto Bastos, acompanhado pelo subdefensor Gabriel Furtado.


Segundo a gestora da Unidade de Educação Básica Camélia Costa Viveiros, Cléres Ribeiro, uma parte considerável dos 586 alunos não tem o nome do pai no registro de nascimento. “Falar sobre esse assunto é um pouco constrangedor para os alunos que estão nessa situação. Portanto, essa parceria da Defensoria é fundamental para garantir aos nossos jovens uma condição social e psicológica de igualdade com os demais colegas”, frisou.


Outro caso foi o da pequena Ana Júlia, de quatro anos, cujo pai trabalha viajando e não pôde registrá-la no período em que nasceu. Segundo a mãe, Maria do Amparo Rodrigues, o fato de ter apenas seu nome na certidão gerava bastante desconforto para a criança. “Nem sempre podemos fazer tudo como gostaríamos. Esse problema com a certidão me incomodava bastante. Tenho dois outros filhos que estudam aqui e fiquei satisfeita com a acolhida da escola e da Defensoria. Estou muito feliz com essa vitória”, elogiou.

QUER ATENDIMENTO?
AGENDA INSTITUCIONAL

INFORMAÇÕES GERAIS
Horário de funcionamento:
    • São Luís
    • Sede:
      Segunda a sexta das 7h às 17h

    • Núcleo do Consumidor:
      Segunda a sexta das 8h às 17h

    • Núcleo de Execução Penal:
      Segunda a sexta das 8h às 17h

    • Sala de Atend. Fórum Desembargador Sarney Costa:
      Segunda a sexta das 8h às 17h

    • Núcleos regionais
    • Segunda a Sexta das 8h às 17h

    • Plantão
    • Diariamente das 17h às 7h
    • (98) 3232-2390 –Ramal-4

Galeria de fotos

+Fotos

Galeria de vídeos

+Vídeos



+Jornais